Menu
Pisos e Revestimentos em Couro e Cortiça Naturais Reciclados

Casa Cor completa 20 anos e reafirma sua consciência ecológica

Imprensa » Casa Cor completa 20 anos e reafirma sua consciência ecológica

Um dos maiores eventos de arquitetura e decoração da América Latina abre as portas ao público nesta quinta-feira. Organização corre contra o tempo para finalizar as obras do espaço que recebe o evento

Fernanda Nazaré - Redação Publicação:12/11/2014 18:26Atualização:13/11/2014 18:37

Além do uso de materiais ecologicamente corretos, muitos cômodos se inspiraram na natureza que rodeia a Casa Cor 2014 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Além do uso de materiais ecologicamente corretos, muitos cômodos se inspiraram na natureza que rodeia a Casa Cor 2014 Foram cerca de R$ 40 milhões investidos e mais de nove mil pessoas envolvidas para deixar a Casa Cor 2014 "de pé", de acordo um dos diretores do evento, João Grillo. Na véspera da abertura do evento, ainda é possível ver andaimes, retroescavadeiras e cimento fresco no espaço que vai abrigar a mostra. "Fazer uma Casa Cor sempre deu, e sempre dá, muito trabalho. Mas vale a pena. O crescimento do mercado de decoração movimenta 47 bilhões de euros", afirma Grillo.

A edição deste ano de um dos maiores eventos de arquitetura e decoração da América Latina será realizada no condomínio Vila Gaya – ainda não inaugurado –, em Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte.

Do dia 13 de novembro a 16 de dezembro, o público poderá conferir 50 ambientes, assinados por mais de 60 profissionais, que apresentam as tendências em design para se morar e receber bem. Dentre os cômodos, o projeto de 34 apartamentos decorados especialmente para a mostra será permanente, ou seja, fará parte do residencial Villa Gaya.

Entre os cômodos, destaque para propostas de livings, lounges, home theaters, lofts, cozinha gourmet, deck, sala de banho, suítes, sala de TV, Sala de música, estúdios, jardins, além de quartos temáticos, voltados para públicos específicos – filho, filha, casal ou bebê.

A paisagem da mata de Macacos é um dos diferenciais entre os projetos de cômodos mais marcantes da mostra. Os arquitetos derrubaram paredes de concreto e as trocaram por vidro, proporcionando uma imagem da natureza, numa visão de quase 180º. Materiais como madeira ecologicamente correta, retalhos de couro dispensado de fábricas e aproveitamento da luz natural foram algumas das estratégias usadas por eles para mostrar que é possível ter estilo e não se esquecer da preservação do meio ambiente.

Outra novidade deste ano da Casa Cor é um restaurante montado dentro da mostra, e que será comandado pelo renomado chef Felipe Rameh, que comanda as cozinhas dos restaurantes Trindade e Alma Chef – alias, a equipe que acompanha o chef é composta em parte por profissionais desses estabelecimentos.

A reportagem do portal da Encontro pode conferir alguns cômodos já prontos, antes da estreia da Casa Cor, e mostra, com exclusividade, as imagens dos projetos, que você confere abaixo.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

O Piano, por Flávia Soares
"Meu pai era pianista e quis homenageá-lo", conta a arquiteta. O ambiente com tons quentes traz cores que remetem ao minério de ferro: marrom, ferrugem, cinza, bordô, entre outras. Além das cores para lembrar a região na qual o evento é realizado – cercada por áreas de exploração do metal –, atrás do piano, há uma parede de concreto com um mosaico de minério.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Quarto de Hotel, por Junior Piacesi
A proposta de Piacesi é unir simplicidade, modernidade e consciência ecológica. Na simplicidade, você pode encontrar a cortina do box feita de tule branco, iluminação com tubos fluorescentes e revestimento do chão ao teto em madeira compensada. "Todo mundo pode ter um lugar aconchegante, simples e cujo orçamento cabe no bolso", afirma o arquiteto



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Apartamento do Hóspede, por Erika Viana
Arte e textura são a inspiração dessa designer de interiores. Por todo o ambiente, é possível ver fotografias e trabalhos manuais como objetos de decoração, além de cadeiras de palha trançada, mostrando o valor da criatividade humana. "Sempre começo um trabalho pela textura ou pela cor. Esse quarto nasceu com a divisória de bolas, feitas em madeira MDF laqueada e fosca", conta.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Loft Apaixonado por Música, por Ângela Roldão
"É um espaço para amigos se reunirem e ficarem à vontade". É como a arquiteta explica sua inspiração para o loft com aparelhagem de som de última geração. O ambiente também conta com uma cozinha embutida em aço escovado, um projetor com imagens de nuvens em movimento, em frente à banheira, e luminárias maleáveis para deixar a iluminação do ambiente "ao gosto" do proprietário.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Estúdio Lumiere, por Flávia Zambelli
Inspirada na sétima arte, a arquiteta pensou em um ambiente à meia luz, com uma televisão de 90 polegadas como protagonista. O revestimento do quarto, em bambu, e a cabeceira da cama, revestida com ráfia natural, mostram a consciência ecológica e acrescentam aconchego ao cômodo.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Loft 78!, por Rodrigo Aguiar
A primeira impressão do projeto do arquiteto é de um apartamento moderno com um saudosismo "gostoso" da cozinha da vovó, misturando elementos da atual geração com os da década de 1950. Vários vasinhos com ervas conferem à cozinha uma horta ao alcance das panelas. O destaque fica por conta das paredes, revestidas com argamassa AC2, e da seladora, que dá um efeito mais delicado ao estilo "cimento queimado".



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Quarto do Bebê e Quarto da Princesa Aurora, por Ana Paula Carneiro
Trabalhar com cores neutras é uma das marcas da arquiteta. Ouro velho, bege e cinza deixaram o quarto do bebê elegante e unissex. No quarto da menina, inspirado numa princesa, a cama dourada com dossel não pode faltar. "Quis priorizar a delicadeza", afirma Ana Paula.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Estar Galeria, por Willemberg Lobato
A inspiração do arquiteto vem da própria localização da Casa Cor, ou seja, São Sebastião das Águas Claras – mais conhecido como Macacos. O projeto lembra uma casa de campo, em que morador de fim de semana gosta de escultura, pintura e fotografia. O uso da madeira, da forma bruta à polida, foi a maneira encontrada para ligar o cômodo à região. O piso de cimento queimado também remete à simplicidade prática dos moradores de Macacos.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Apartamento 22, por Angélica Araújo
Restos de couro dispensado por fábricas foram reaproveitados por Angélica para revestir quase todo o projeto. Mesa, piso e parede estampam o material tratado com verniz cerâmico. Até o aroma do ambiente é diferente, mais perfumado, por causa do uso do couro. "Todo o ambiente é sustentável. O mais importante é saber a origem do revestimento", diz a arquiteta.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Apartamento do Executivo, por David Guerra
"O executivo gosta de praticidade, qualidade e natureza", afirma o arquiteto. O ambiente conjugado entre quarto e sala de estar é um convite para se receber amigos, de forma confortável. A praticidade está no projeto, especialmente na cozinha embutida, que, se o proprietário receber uma visita inesperada e a área estiver bagunçada, permite o fechameto rápido da porta, que é de correr.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Apartamento Minas Gerais, por Christianne Taranto
A proposta da arquiteta no espaço Fiemg é valorizar a produção mineira. "Tudo foi feito com material de Minas Gerais. Eu quis fugir dos tons típicos do estado, como os terrosos", explica Christianne. A inspiração para a paleta de cores foram as panelas de pedra sabão e um quadro da paisagem de Ouro Preto feito por Fernando Lucchesi.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Suíte do Casal, por Estella Neto
"É um espaço feito para o casal ser feliz. Um ambiente cheio de sensações, acolhedor, com muita textura e pouca cor", explica a arquiteta. Estela montou o espaço com materiais de fibras naturais, madeira e pedras, além de uma parede verde de samambaias na sala de estar.



 (Fernanda Nazaré/Encontro)

Home in Blue, por Paula Sallum e Manuela Lolato
As jovens arquitetas optaram por seguir um estilo inspirado na estética japonesa wabi-sabi, em que se valoriza a simplicidade das características do ambiente, com toques de modernidade. "Pensamos em valorizar a história", afirma Manuela.  O ambiente colorido, mesclado com artigos vintage, mostra o frescor do quarto de uma jovem alegre e que guarda a memória emocional, presente em alguns objetos de família.

Serviço:

O quê: Casa Cor
Onde: Villa Gaya
Endereço: estrada São Sebastião das Águas Claras (Macacos) 1289, Nova Lima, MG (a 12km de Belo Horizonte)
Data: 13/11 a 16/12
Funcionamento: quarta a sex das 16h às 22h; sábados das 13h às 22h; domingos das 13h às 19h
Ingresso: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Fonte: Encontro



Voltar